Masthead header

Hoje é o dia mundial de Diabetes!

tratamento-da-diabetes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com certeza você deve conhecer alguém que tenha essa doença, por ela já ser tão prevalente!

Diabetes e uma doença crônica, progressiva, ocasionada por aumento da glicemia (açúcar) no sangue, esse aumento pode ser por causa de uma resistência a insulina e; ou pela diminuição da produção da insulina.

Infelizmente a Diabetes esta crescendo e estima-se que em 2040 teremos 23,2 milhões de casos dessa doença no Brasil.

A forma da Diabetes mais prevalente é a tipo 2. Essa ocorre principalmente em pacientes obesos, cerca de 80%. O risco de um obeso ter Diabetes é de 10 x superior ao risco dos magros. Sim… Não é a toa que esta crescendo! E a grande maioria dos diabéticos (90%) possui a famosa síndrome metabólica. Ou seja, doenças que aumentam o risco de doença cardiovascular como infarto e derrame. O que diminuiu a expectativa de vida desses pacientes, estes apresentam mortalidade 2-3 x maior do que a população geral. A doença também leva a comprometimento da visão, da função dos rins e ao aumento do risco de amputações.

Como tratar: A base do tratamento são as modificações do estilo de vida. Ou seja, dieta, atividade física! Os medicamentos também são imprescindíveis, orais ou injetáveis (como a insulina). Uma perda de 5% do peso já traz muitos benefícios!

Nem todos diabéticos terão que usar insulina! Isso dependera muito do controle glicêmico e alguns pacientes podem ate usar quando muito descompensados e depois param quando evoluírem com a melhora da doença.

Pacientes obesos, que fumam, tem pressão arterial alta, colesterol elevado e; ou historia na família de Diabetes apresentam fatores de risco importante para a doença, logo precisam realizar um simples exame de sangue para saber se possuem. Lembrando que quase a metade dos pacientes não apresenta nenhum sintoma ao diagnostico! Uma alimentação saudável é fundamental no controle e principalmente na prevenção da doença!

Dra. Paula  Paes – Endocrinologista

Referencias bibliográficas:
  1. American Diabetes Association. Classification and diagnosis of diabetes. Diabetes Care.2016;39 (Supp1): S13-22
  2. International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas. 7th edition. Disponível em : http://www.diabetesatlas.org

Ovo

Ovo

 

O ovo é uma rica fonte de proteína e de diversos outros nutrientes, mas é preciso saber escolher qual tipo você irá acrescentar a sua dieta. No mercado encontramos três tipos deles: de granja, caipira e orgânicos. Os ovos de granja são produzidos em escala industrial, as galinhas se alimentam apenas de ração com altos índices de transgênicos, recebem injeções de hormônios e antibióticos para aumentar a produção e são mantidas presas em gaiolas.
Já os ovos caipiras e orgânicos, tanto a criação como a alimentação das galinhas são naturais. Elas vivem soltas, ciscam e se alimentam de vegetais, livres de hormônios e transgênicos. E isso reflete significantemente nas propriedades nutricionais dos ovos, como:
– Ovo de granja possui uma concentração de betacaroteno (vitamina A que ajuda o sistema imunológico) 5x menor que ovos orgânicos e caipiras;
– Orgânicos e caipiras possuem 3x mais Ômega-3, 3x mais vitamina E e 30% mais de vitamina D;
– Ingerindo ovos de granja, automaticamente, você está ingerindo diversos resíduos químicos.
A melhor forma de consumo do ovo é ele cozido, assim é possível aproveitar melhor os nutrientes que estão, em maior parte, concentrados na clara. Para fazer omelete ou ovos mexidos, prefira utilizar um pouco de gorduras saudáveis, como azeite, manteiga ou óleo de coco!
No mercado, não se engane em diferenciar os tipos de ovos apenas pela cor da casca (branca ou marrom), pois tanto galinhas de granja ou caipira podem colocar ovos nas duas cores. Leia com atenção o rótulo e se possível tome conhecimento dos procedimentos praticados nas granjas em que aquele ovo foi produzido!

Camila Borduqui
CRN 3 – 20615
Nutricionista Esportiva e Funcional

Lanchinho Especial

chocolate

 

😋 Lanchinho Especial

  • Leite de amêndoas 100ml
  •  1 Tamara
  • Tablete de 20g chocolate cacau 70% derrete no fogo
  • 1 colher sopa de coco fresco ralado
  •  3 colheres sopa cheias de chia
  • Preparo
  • misture tudo leve para gelar cubra com frutas vermelhas

Antiácidos ou enzimas, qual você usa?

 

dor

Os antiácidos fazem parte de um grupo de medicamentos mais vendidos, seja com ou sem prescrição médica. Indicado para refluxo, azia, má digestão eles neutralizam o pH do estômago melhorando o sintoma sem tratar a causa. Sem falar nos bloqueadores de bomba de prótons, os derivados do “Omeprazol”, que inibem a produção de ácido no estômago também utilizado indiscriminadamente e em longo prazo.

Reduzem a acidez que é necessária para a digestão, mas num efeito imediato melhoram o sintoma mas comprometem a digestão levando ao aparecimento de intolerâncias alimentares, principalmente pelo comprometimento da digestão de proteínas. Reduzem a absorção de vitamina B12, ferro, cálcio, comprometem a absorção de diversos nutrientes . Já o uso de enzimas digestivas como a papaína, bromelina, lipase, protease, lactase etc associado a probióticos, fitoterápicos podem contribuir resolvendo os sintomas e tratando a causa. Cuide de sua saúde, do seu intestino, procure um nutricionista e faça a mudança necessária.